FILOSOFIA

Filosofia Moderna

A Filosofia Moderna tem uma “certidão de nascimento”, que é a publicação da obra Discurso sobre o Método em 1657, pelo filósofo francês René Descartes. O mundo ocidental já dava sinais de profundas mudanças com o Renascimento, mas será a partir de Descartes que a Era Moderna irá inaugurar o modo racional e científico de investigação, inspirado no método cartesiano. A partir de então, profundas mudanças políticas e científicas na Europa irão inspirar muitos filósofos notáveis como Rousseau, Locke, David Hume e Immanuel Kant, mas sempre baseados no estilo racional e metódico que marcou a Filosofia Moderna.

Georg W. F. Hegel – Biografia, filosofia, obras e frases

Georg Wilhelm Friedrich Hegel descendia de uma linhagem de funcionários públicos. Na Alemanha, o funcionário público era um civil cujo senso de iniciativa e instinto de liberdade fora paralisado pelo vírus da burocracia. O pai de Hegel guardava os relatórios das finanças de Württemberg. O emblema de sua família era a rotina oficial. Nascido no dia 27 de agosto de 1770, Hegel foi mandado para a escola latina e depois para o seminário teológico em Tübingen. Revelou-se, contudo, um ... Leia Mais >>

John Locke – Sobre o entendimento humano

John Locke nasceu em 1632, em Wrington, Inglaterra, e morreu em 1704, em High Laver, também na Inglaterra. Estudou em Oxford, onde teve contato pela primeira vez com a filosofia cartesiana, que lhe despertou grande interesse como alternativa mais adequada ao escolasticismo que ainda predominava no ensino filosófico da época. Estudou medicina, dedicando-se à experimentação e travando conhecimento com alguns dos cientistas mais brilhantes da época. Ainda em Oxford, tornou-se médico ... Leia Mais >>

Leibniz e as mônadas – a estrutura da realidade

Gottfried Wilhelm Leibniz (1646 – 1716) foi um “homem universal”: grande matemático, divide com Isaac Newton o título de inventor do cálculo; manteve uma correspondência ativa com os maiores intelectuais de sua época, discutindo assuntos filosóficos e científicos; desenvolveu o projeto de criação de uma lógica simbólica que antecipou algumas ideias-chave da lógica moderna, que só seriam plenamente desdobradas dois séculos mais tarde; teve uma atuação política ... Leia Mais >>

Baruch Espinosa – “Tudo existe em Deus”

Baruch Espinosa (ou Bento de Espinosa) nasceu em 1632 em Amsterdã, na Holanda, de uma família de judeus portugueses que buscavam refúgio da perseguição religiosa na Península Ibérica. Estudou na escola judaica e preparou-se para ser rabino, mas suas ideias independentes o levaram a sua excomunhão em 1656. Expulso da comunidade judaica, leva uma vida independente, aprofundando seus estudos de filosofia – em especial do racionalismo de Descartes, que tem um grande impacto sobre ele ... Leia Mais >>

Giovanni Pico della Mirandola e o humanismo renascentista

Giovanni Pico della Mirandola nasceu no castelo de Mirandola em 1463 e morreu em Florença, na Itália, em 1493. Desde cedo, recebeu educação esmerada, inicialmente voltada para a carreira eclesiástica. Depois da morte de sua mãe (ele tinha apenas 15 anos e já era órfão de pai), decide aprofundar-se nos estudos filosóficos. Durante alguns anos, circula pelos grandes centros culturais da Itália – Ferrara, Pádua, Florença –, onde tem contato com os grandes humanistas da época, ... Leia Mais >>

Martinho Lutero e a Reforma Protestante

A Reforma Protestante iniciada por Martinho Lutero (1483-1546), juntamente com o Renascimento e o Iluminismo, são eventos de grande importância para o entendimento da Era Moderna. Não se trata apenas de informações históricas, mas de influências culturais e intelectuais que se fazem presentes até hoje. O objetivo inicial de Lutero não era uma ruptura, mas uma reforma na própria Igreja. É claro que uma instituição poderosa e milenar não iria simplesmente acatar as objeções de um ... Leia Mais >>

Immanuel Kant – principais ideias

Na segunda metade do século XVIII, a Aritmética, a Geometria e a Física eram consensualmente aceitas como ciências, mas havia um forte ceticismo no que diz respeito à Metafísica, uns dos campos mais notórios da Filosofia. Seria esta uma espécie de ciência mais geral, em contraposição às ciências particulares? Immanuel Kant (1724-1804) afirmava que não, repensando inteiramente a natureza do saber filosófico e mostrando os traços distintivos entre Filosofia e Ciência. Para o ... Leia Mais >>

René Descartes – a origem do método que mudou o mundo

René Descartes nasceu em 1596 na cidade de La Haye, na Touraine, França. Recebeu uma sólida formação humanística em um dos melhores colégios europeus da época, porém muito cedo a rejeitou como pouco consistente e insatisfatória. Logo que se torna independente, assume sua própria educação, enfatizando os estudos de matemática e de assuntos científicos. Foi contemporâneo de Bacon e Galileu e manteve intensos contatos com a comunidade científica e filosófica da Europa da época. ... Leia Mais >>

Nicolau Copérnico: do heliocentrismo à Filosofia Moderna

A grande inovação introduzida por Nicolau Copérnico (1473-1543) não foi propriamente a proposição do heliocentrismo, mas a abertura em direção à aplicação generalizada da matemática na ciência da natureza. O uso da matemática na ciência, em especial na astronomia, na ótica e na mecânica, não era novidade. Desde Pitágoras, passando por Platão, pelo neoplatonismo e chegando até o Renascimento, a ideia de que a matemática (entendida, na época, como geometria) tinha um papel ... Leia Mais >>

Renascimento: o período que definiu a Era Moderna

O Renascimento foi um movimento intelectual com limites imprecisos (tanto cronológicos quanto geográficos) mas cujo auge ocorre na Itália nos séculos XV e XVI. Influenciou diversas áreas da cultura – desde a política até a literatura, passando por todas as demais belas artes, pela filosofia e pela ciência, mas também pelos hábitos, pelos costumes e pela vida cotidiana. De certa forma, boa parte de nossa forma científica e individualista de pensar (tão comum nos dias atuais) tem ... Leia Mais >>

Francis Bacon: O avanço científico e os falsos ídolos

Nascido em uma família da corte inglesa, Francis Bacon (1561 – 1626) foi parlamentar e chanceler. Tornou-se cavaleiro, barão e visconde. Em 1620, publica o Novum organum. Essa obra prometia promover uma grande renovação na ciência. Bacon percebeu que alguns dos  desenvolvimentos técnicos decisivos – como a bússola, a imprensa, a pólvora – não devem nada à filosofia aristotélica (tradicionalmente utilizada na ciência até então) embora tenham mudado o mundo. A partir ... Leia Mais >>

Schopenhauer: “Quem pode erguer-se sobre as montanhas e depois calar-se?”

Em 3 de junho de 1804, o jovem Arthur Schopenhauer (então com apenas 16 anos) sobe o Monte Pilatus [perto de Lucerna, na Suíça] em companhia de um guia de montanha. “Senti uma vertigem quando vi pela primeira vez aquele espaço abrangente que se estendia à minha frente. […] Percebi que tal panorama, visto do alto da montanha, era tão extraordinário que me levava à ampliação de todos os meus conceitos anteriores. É tão diferente de tudo o mais que se torna impossível fazer ... Leia Mais >>
1 2 3 4