HOME

Alfredo Carneiro

Alfredo CarneiroMeu nome é Alfredo de Moraes Rêgo Carneiro, sou pós-graduado em Filosofia e Existência pela Universidade Católica de Brasília e licenciado em Filosofia pela mesma instituição. Também sou bacharel em Administração de Empresas e pós-graduado em Engenharia de Software.  Nascido e criado em Belém do Pará, hoje moro com minha família em Brasília/DF.

Paralelamente às minhas atividades profissionais, desenvolvi, desde 1998, projetos web voltados para o comércio eletrônico, conscientização ecológica, filosofia e educação (veja em Outros Projetos). Criei o netmundi em 2010 para ajudar a difundir a filosofia. Meu objetivo é transformá-lo, gradativamente, em uma plataforma educacional disponibilizando textos, posts de minha autoria, documentários, vídeos e entrevistas. O netmundi.org é voltado não apenas para estudantes mas principalmente para interessados em conhecer mais sobre o tema.

Minha relação com a Filosofia nasceu quando, ainda adolescente, comprei em um sebo o livro Discurso sobre o Método de Descartes para entender, afinal, quem era esse sujeito que todos diziam ter fundado a modernidade. Fiquei impressionado com o estilo claro de Descartes, com sua apresentação quase matemática das ideias e, mais ainda, em saber que a modernidade teria sido fundada por um livrinho tão fino. Sentia que aquela obra tinha uma poderosa energia e resolvi descobrir o que outros filósofos pensaram antes e depois de Descartes. Desde então comprei muitos livros, conversei com muitas pessoas, li obras de vários filósofos e entendi por que Nietzsche os chamou de “coisas maravilhosas”. Meu quarto, na casa dos meus pais, era abarrotado de livros.  Mas sentia falta de um aprendizado sistematizado, por isso prestei vestibular para licenciatura em Filosofia na Universidade Católica de Brasília e concluí o curso em 2014.

Como não poderia deixar de ser, minha formação em TI e Administração, aliada ao meu interesse pela filosofia, me levou a estudar a influência das tecnologias digitais na cultura e na sociedade. Como paradigma teórico adotei as ideias do filósofo da informação Pierre Levy para entender nosso mundo ultra conectado e criei o blog Cibercultura. Para minha surpresa, o próprio Pierre Levy retuitou um texto de minha autoria sobre as manifestações de junho de 2013.

Nunca pensei na filosofia como um pensar solitário e particularmente sou contra os “sábios teóricos” e eruditos. Acredito em Schopenhauer quando ele afirma que “os promotores da espécie humana são aqueles que leram diretamente no livro do mundo”.  Filosofia, para mim, é algo que nasce do face a face, do diálogo e do confronto. Os livros e o estudo sistematizado são, portanto, um apoio para a reflexão, mas não substituem nosso pensamento próprio. De nada adianta pensar se isso não modifica tanto a nós mesmos quanto a realidade em que vivemos.

 Alfredo Carneiro