HOME

Textos Motivacionais

O Cadarço – a loucura segundo Charles Bukowski

O Cadarço, poema de Charles Bukowski, resume a insanidade do nosso tempo: não são as grandes perdas de nossa vida, mas os milhares de pequenos problemas cotidianos que finalmente nos vencem. A conta que venceu, a sujeira que acumula, a louça suja de ontem, o trânsito diariamente engarrafado, o relatório que não terminou, o formulário que não foi preenchido. Tudo isso cria a massa recorrente que nos absorve vagarosamente. As verdadeiras tragédias e as grandes perdas nos marcam ... Leia Mais >>

Construindo pontes: parábola sobre a concórdia

Dois irmãos moravam em fazendas vizinhas. Para se encontrarem, precisavam percorrer uma longa estrada que margeava um rio que separava suas fazendas. Apesar do cansaço, faziam a caminhada com prazer, pois se gostavam e cuidavam um do outro. Um certo dia, após toda uma vida, tiveram uma grande desavença. Um pequeno mal entendido explodiu numa troca de palavras duras e os irmãos então deixaram de se falar. Numa manhã, alguém bateu à porta do irmão mais velho. Era um homem com uma caixa ... Leia Mais >>

O Ballet Bolshoi e sonho de Svetlana

Desde pequena, Svetlana só tinha conhecido uma paixão: dançar e sonhar em ser uma Gran Ballerina do Ballet Bolshoi. Seus pais tinham desistido de lhe exigir empenho em qualquer outra atividade. Os rapazes já haviam se resignado: o coração de Svetlana tinha lugar para somente uma paixão, e tudo mais era sacrificado pelo dia em que se tornaria bailarina do Bolshoi. Um dia, Svetlana teve sua grande chance. Conseguira uma audiência com Sergei Davidovitch, Ballet Master do Ballet Bolshoi, ... Leia Mais >>

O Sonho dos Ratos, de Rubem Alves

Era uma vez um bando de ratos que vivia no buraco do assoalho de uma casa velha. Havia ratos de todos os tipos: grandes e pequenos, pretos e brancos, velhos e jovens, fortes e fracos, do campo e da cidade. Mas ninguém ligava para as diferenças, porque todos estavam irmanados em torno de um sonho comum: um queijo enorme, amarelo, cheiroso, bem pertinho dos seus narizes. Comer o queijo seria a suprema felicidade…Bem pertinho é modo de dizer. Na verdade, o queijo estava imensamente longe ... Leia Mais >>

Taoismo: o conceito de não-ação

Entre as várias sabedorias que prega o taoismo, uma delas é a não-ação (ou Wu wei), que significa, grosso modo, que quanto mais permitimos que o mundo siga seu fluxo natural, melhor para todos, pois a natureza possui sabedoria intrínseca. A não-ação não corresponde à imobilidade ou preguiça, como afirma o senso comum, mas sim à disposição de espírito que permite ao Tao sua manifestação. Não tem relação com estar parado ou trabalhando, mas sim com a naturalidade do ser ... Leia Mais >>

Os três filtros de Sócrates: o bom uso da razão

“Os três filtros de Sócrates” é um diálogo difundido na internet falsamente atribuído a Sócrates. Não existem referências a esses três filtros nas obras de Platão, contudo, isso não invalida a mensagem positiva que transmite. Talvez esse diálogo tenha sido atribuído a Sócrates pela semelhança que apresenta com sua forma de dialogar. De qualquer maneira, os três filtros de Sócrates, como ficaram conhecidos, são exemplo de bom uso da razão. Grande parte de ... Leia Mais >>

As rotinas criativas dos grandes pensadores

As rotinas de trabalho dos grandes pensadores sempre foram alvo de curiosidade. Alguns acreditam que imitar as “rotinas criativas” dos filósofos, artistas ou cientistas pode estimular a criatividade, porém, se você analisar os gráficos abaixo — publicados originalmente pelo Infowetrust e adaptados pelo Trampos.co — verá que dificilmente uma rotina será igual à outra. Cada pensador desenvolveu uma rotina pessoal, de acordo com suas preferências, ... Leia Mais >>

A Arte de Passear, de Karl Gottlob Schelle

A Arte de Passear é um pequeno tratado escrito pelo filósofo alemão Karl Gottlob Schelle (1777-1825). Mais do que apenas discorrer sobre caminhadas, Schelle faz importantes reflexões sobre como nossa disposição física e mental é influenciada pelos passeios ao ar livre. Para Schelle, o ser humano participa de dois mundos: o mundo racional e o mundo das necessidades. É interessante — e até mesmo raro — encontrar um filósofo que tenha dedicado boa parte de suas reflexões a este ... Leia Mais >>

A Síndrome do Sapo Fervido

Foi comprovado através de estudos biológicos que, se um sapo for colocado em um recipiente com a mesma água de sua lagoa, fica inerte durante todo o tempo em que aquecemos a água, até que ela ferva. Denominaram esse comportamento de Síndrome do Sapo Fervido. O sapo não reage ao gradual aumento da temperatura e morre quando a água ferve. Se, no entanto, outro sapo for jogado nesse mesmo recipiente, com a água já fervendo, salta imediatamente para fora. Muitas pessoas demonstram ... Leia Mais >>

Piotr Ouspensky: “Nossa casa está em chamas!”

“Quando percebemos que enganamos a nós mesmos, que estamos dormindo e que nossa casa está em chamas, sempre, permanentemente em chamas, e que é apenas por acaso que o fogo não atingiu nosso quarto neste exato momento, quando percebemos isso, vamos querer fazer tudo para acordar e não vamos esperar nenhuma recompensa especial”. — P. D. Ouspensky A frase acima, do psicólogo e filósofo russo Piotr Ouspensky, refere-se principalmente aos pensamentos negativos e ao nosso ... Leia Mais >>

A Praça da Logosofia: sobre a liberdade interior

A Logosofia, escola filosófica fundada por González Pecotche (1901-1963), utiliza a imagem de uma praça para simbolizar a liberdade interior. Na praça, sentamos em um banco e assistimos pessoas passarem e fatos ocorrerem. As pessoas e os fatos representam nossos pensamentos. O banco no qual sentamos é o espaço onde está nosso próprio ser. Não controlamos quem pode sentar ao nosso lado, contudo, temos liberdade para decidir como iremos nos relacionar com aquela pessoa — que pode ... Leia Mais >>

O Príncipe e o Mago

Trecho do livro The Magus, de John Fowles Era uma vez um jovem príncipe, que acreditava em tudo, exceto em três coisas. Não acreditava em princesas, não acreditava em ilhas, não acreditava em Deus. Seu pai, o rei, disse-lhe que tais coisas não existiam. Como não havia princesas ou ilhas nos domínios de seu pai, e nenhum sinal de Deus, o príncipe acreditou no pai. Um dia, porém, o príncipe fugiu do palácio e dirigiu-se ao país vizinho. Lá, para seu espanto, viu ilhas por toda a ... Leia Mais >>
1 2