FILOSOFIA

Os sofistas e Sócrates – a virada antropológica

Toda a sabedoria prática esboçada no período pré-socrático não se elevou a um nível amplamente filosófico, mas preparou o surgimento da ética, assim como a mitologia preparou o surgimento da cosmologia. Os grandes personagens desta nova perspectiva, que resultou na elaboração de uma filosofia voltada para as questões humanas, foram os sofistas e Sócrates. Entretanto, só este último conseguiu elevar a filosofia a uma ampla ciência do homem e da conduta humana. Este novo período é chamado de “virada antropológica”, pois volta a reflexão filosófica para o homem.

A filosofia da natureza preocupou-se essencialmente com questões de natureza cosmológica e ontológica ao tentar determinar a origem dos seres. Junto com estas questões, surgiram problemas relativos ao conhecimento humano que, em certa medida, também foram pesquisados por alguns pré-socráticos. Nesse período houve pouco espaço para o desenvolvimento de uma reflexão filosófica acerca do homem, da sua essência e do seu modo de agir.

As poucas considerações antropológicas e éticas dos pré-socráticos se mantiveram muito próximas do orfismo e, portanto, eram considerações de fundo religioso. Foi o caso do pitagorismo, da filosofia de Heráclito e Empédocles com as suas afirmações acerca da imortalidade da alma, da transmigração e das recompensas e punições para as suas ações. O grande problema não foi a vinculação com determinadas crenças, mas a falta de uma fundamentação racional.

A tradição mitológica e religiosa da Grécia Antiga

Homero, graças as suas obras Ilíada e Odisséia, é o grande poeta que influenciou decisivamente a cultura grega e que direcionou grande parte do comportamento ético dos gregos antigos.

Os gregos, antes do surgimento de uma filosofia voltada para questões éticas e políticas, foram moldados pelos valores transmitidos pelos chamados sete sábios, pelos poetas gnômicos, e pelas obras de Homero e Hesíodo. Suas sentenças veicularam determinados valores como o conhecimento de si mesmo, a medida e o limite e a rejeição de atitudes extremas.

Porém, essas considerações têm como pano de fundo a religiosidade, a mitologia e a cultura dos gregos antigos. Isso significa, como dissemos, que não existia uma ciência da conduta humana pautada em bases racionais. Assim, o debate filosófico acerca da ética estava reduzido às culturas locais e suas religiões, impedindo que ela se tornasse um debate universal.

Os Sofistas e Sócrates

Sócrates e os sofistas

Foi apenas com os sofistas e, principalmente com Sócrates e a monumental obra de Platão, que a filosofia se volta para as questões humanas, tornando-se efetivamente as bases filosóficas de toda a cultura do ocidente.

Aqui ocorre de fato a virada antropológica. Os sofistas mais representativos desse período foram Górgias e Protágoras. Górgias ficou conhecido como pai da retórica e Protágoras ficou conhecido pela seguinte máxima: “O homem é a medida de todas as coisas”.

Os sofistas acreditavam que poderiam vencer qualquer debate, pois não existiria de fato verdade absoluta. Platão, por sua vez (na voz de Sócrates) acreditava na verdade absoluta como referência para as ações humanas. Górgias é o tema principal do diálogo “Górgias”, de Platão, que busca atacar esta postura retórica e relativista como imoral.

Apesar da má fama atribuída aos sofistas — principalmente devido às críticas de Platão — eles foram os responsáveis pela introdução da retórica em Atenas e também pelo relativismo que foi combatido por Sócrates, estimulando de forma decisiva a “virada antropológica”.

O fruto deste debate, em grande parte, foi o abandono das investigações sobre a natureza (característica dos pré-socráticos) e uma virada das investigações filosóficas para as ações humanas, fundando assim a ética do ocidente.

Abaixo você irá encontrar vários links do netmundi referentes aos pré-socráticos, os sofistas e Sócrates.

Pré-socráticos e filosofia da natureza


  1. Saiba a diferença entre Mito e Filosofia
  2. Linha do Tempo da Filosofia – Pré-socráticos
  3. Pré-socráticos: do mito ao logos ou a origem da filosofia

Os Sofistas


  1. Górgias de Leontinos – o pai da retórica
  2. Protágoras – “O homem é a medida de todas as coisas”

Sócrates e Platão


  1. Sócrates – resumo biográfico
  2. Sócrates e o Oráculo de Delfos: a origem do “sei que nada sei”
  3. O julgamento de Sócrates
  4. Platão – a ética do Belo e do Bom

Referências Bibliográficas


  1. DUMONT, J. P. Elementos de história da filosofia antiga. Brasília: EdUnB, 2005. 813 p.
  2. ELIADE, M. Mito e Realidade. 4. ed. São Paulo. Ed. Perspectiva, 1994
  3. MONDOLFO, R. O pensamento antigo.  Ed. São Paulo: Mestre Jou, 1971