FILOSOFIA

Górgias de Leontinos – o pai da retórica

Górgias

Górgias (480/378 a.C.) nasceu em na colônia grega de Leotinos, na Sicília e teria vivido mais de cem anos e morrido na cidade de Larissa. Visitou Atenas como embaixador em 427 e impressionou os seus habitantes pela sua capacidade retórica. Foi grande viajante, tendo visitado todas as outras cidades importantes da Grécia. Sua posição na história da Filosofia situa-se após os pré-socráticos, sendo considerado um dos mais importantes representantes dos sofistas juntamente com Protágoras.

Foi chamado de “o pai da sofística” por suas contribuições à retórica. Originalmente, a retórica era voltada para a persuasão, porém, acabou sendo associada à arte de falar com competência e efetividade. Para Górgias, não importa quem está “com a razão” ou “ao lado da verdade”, mas sim quem domina a retórica. Este sim terá razão, pois a “verdade” não existe. Os sofistas eram famosos pela habilidade retórica, e foi justamente essa a oposição de Sócrates a eles.

É atribuído a Górgias a introdução da retórica em Atenas, fato que contribuiu para as críticas de Sócrates e também para boa parte da filosofia de Platão. A cidade onde Górgias nasceu, Leotinos, é também chamada de terra natal da retórica grega.

Escreveu várias obras, sendo as mais importantes:

  • Sobre a natureza ou o não-ser,
  • A arte retórica, Defesa de Palamedes,
  • Elogio de Helena e
  • Elogio da cidade de Eléia

Górgias excedeu o relativismo de Protágoras em direção ao niilismo. Este niilismo foi elaborado na forma de uma crítica contundente às doutrinas da escola eleática, mais especificamente à Parmênides. Talvez essa tenha sido sua grande contribuição à Filosofia.

Parmênides formulou uma teoria na qual o ser é imutável e única realidade, daí a famosa frase deste filósofo: “O ser é, o não ser não é”.  No escrito que se intitulava, “Sobre o não-ser”, Górgias procurou desmontar as principais teses do eleatismo de Parmênides e seus seguidores, principalmente combatendo a doutrina de que há um vínculo necessário entre o ser e o pensar.

Aqui estamos falando do ser como essência imutável das coisas; aquela que se pode atingir através do pensamento e da razão. Para Górgias não há o ser, muito menos uma essência que se perceba através do pensamento, portanto, não existiria um vínculo entre ser e pensar, muito menos uma verdade imutável. Segundo Górgias:

  • não existe o ser;
  • mesmo que existisse não seria compreensível;
  • mesmo que fosse compreensível não seria comunicável aos outros.

Com isso, ele tenta excluir a possibilidade de uma verdade absoluta, objetiva e definitiva com base em uma suposta correspondência entre o ser e o pensar, pois não há verdade racional sobre o inexistente, sobre o que é incognoscível e sobre o que é inexprimível.

As três teses fundamentais de Górgias

O ser não existe: Esta tese é defendida mediante a utilização da técnica argumentativa empregada pelos representantes do eletatismo. Parmênides declarou que o devir e a multiplicidade são contraditórios e, portanto, ilusórios, concluindo que a realidade é uma ilusão e apenas o ser é verdadeiro e existe. Górgias, por sua vez, procurou demonstrar que qualquer posição a respeito do ser também é contraditória e, portanto, ilusória.

O ser é incognoscível: Aqui Górgias combate o suposto laço necessário entre o ser e o pensamento. Parmênides afirmou que a referência do pensar é o ser e que este é sempre inteligível. Górgias procurou mostrar que estas afirmações não se sustentam, pois pode haver pensamento sobre o que não existe, como uma baleia voadora. Se a referência do pensamento é sempre o ser, todos os seus conteúdos deveriam corresponder a coisas existentes, o que não se verifica. Portanto, o pensamento não é garantia de verdade ou realidade.

O ser é inexprimível: Parmênides, além de ter afirmado a identidade entre o ser e o pensar, afirmou também a identidade dos dois com o dizer. Definir significa dizer o que é, sendo impossível definir o que não é. Górgias não aceita que a palavra tenha por si só o poder de significar ou mostrar o que é a realidade. Há um divórcio entre a palavra e o ser, pois aquele que diz algo não é capaz de transmitir uma experiência ou a realidade de algo que não foi experimentado pelo seu interlocutor. Por exemplo, a mera repetição da palavra “vermelho” para um cego de nascença, jamais terá o poder de transmitir o que é realmente o vermelho. Por outro lado, as coisas não são as próprias palavras e mesmo entre indivíduos saudáveis não se pode ter a certeza de que a palavra “vermelho” é representada da mesma maneira.

Górgias e as possibilidades da retórica

Com a separação entre o pensar, o ser e o dizer, Górgias abriu para a retórica infinitas possibilidades, pois não há uma realidade objetiva, nem tampouco qualquer conhecimento absoluto ou qualquer discurso que possa pretender representar a realidade ou a verdade.

Consequentemente, a habilidade retórica torna-se praticamente absoluta. Não importam os fatos ou o que é certo ou errado, pois a retórica é capaz de tornar tudo relativo. Aquele que domina a retórica conseguirá sempre manipular as coisas em seu próprio favor. Falando mais claramente: a retórica também estaria a serviço da mentira e da enganação, fato que lhe rendeu má fama, contudo, isso não diminui a grande importância dessa habilidade. Tal é o tema principal do diálogo “Górgias”, de Platão, que busca atacar esta postura retórica e relativista como imoral.

Górgias gabava-se de poder convencer qualquer um de qualquer coisa e responder a qualquer pergunta, pois tudo será de acordo com a maior ou menor capacidade de persuasão do retórico. Diz-se que ele conquistou uma grande riqueza, chegando a encomendar uma estátua de ouro de si mesmo.

Referências Bibliográficas


  1. DUMONT, J. P. Elementos de história da filosofia antiga. Brasília: EdUnB, 2005
  2. HADOT, P. O que é a Filosofia antiga? São Paulo: Lisboa, 1999.
  3. REALE, G. História da filosofia antiga. São Paulo: Loyola, 1993

Navegue pelo netmundi.org


  1. Blog do Editor
  2. Posts sobre Filosofia
  3. Pensamentos de vários filósofos

Você também pode gostar


  1. O que é Filosofia?
  2. Felicidade – definições e indefinições filosóficas
  3. Pensamentos de Aristóteles
  4. Pensamentos de Sócrates
  5. Pensamentos de Epicuro
  6. Frases de grandes filósofos: Friedrich Nietzsche (1844-1900)