FILOSOFIA

Friedrich Nietzsche: sobre socialismo e capitalismo

Friedrich Nietzsche

O filósofo Friedrich Nietzsche(1844-1900) fez comentários pejorativos acerca das ideias socialistas e foi um crítico das influências americanas que já se faziam presentes na Europa de seu tempo.

Por isso, é difícil adequar sua filosofia a qualquer doutrina política, social ou econômica. Seja progressista ou liberal. Para ele, tudo isso é “lamentável palavrório feito de política e egoísmo dos povos”.

Nietzsche não acredita no Estado, na política ou na democracia; seu ideal filosófico é a superação do homem — o “além do homem” ou super-homem — considerado por alguns como ideal utópico.

Os comentários abaixo ilustram a antipatia do filósofo pelos ideais socialistas e pelas doutrinas liberais, que são base teórica do capitalismo.

Sobre o socialismo, escreveu:

“Existem alguns que pregam minha doutrina de vida, mas ao mesmo tempo pregam igualdade. Não desejo ser confundido com esses pregadores de igualdade, pois dentro de mim a justiça diz: os homens não não iguais; nosso desejo é possuir nada em comum. Vós ó pregadores de igualdade, a tirania insana da impotência clama assim de vosso interior por igualdade. A natureza odeia a igualdade, ela ama a diferenciação dos indivíduos, das classes e das espécies. O socialismo é antibiológico; o processo da evolução implica na utilização da espécie, classe, raça ou indivíduo inferior pelo que lhe é superior. A vida é exploração e subsiste de outra vida; os peixes grandes comem os pequenos e essa é a história toda. O socialismo é inveja: eles desejam algo que outros têm. (DURANT, 1963 p.90)

Nietzsche também fez críticas à burguesia. Contudo, no seu tempo, “burguesia” era termo geral usado para referir-se não apenas aos donos do capital — como estabelece Marx — mas também ao estilo de vida burguês, pautado pela rotina metódica de trabalho e pelos valores conservadores de uma classe que não é rica ou dona de negócios.

“De qualquer forma, o escravo é mais nobre do que seus senhores modernos — a burguesia. É um sinal de inferioridade da cultura do século dezenove o fato de que o homem de dinheiro seja objeto de veneração e inveja. Mas esses homens de negócios também são escravos; marionetes da rotina, vítimas dos negócios, não têm tempo para ideias novas; pensar é tabu entre eles, e as alegrias intelectuais estão fora de seu alcance. Daí sua inquietação e eterna busca pela “felicidade”, suas casas que nunca são lares, seu luxo vulgar e sem gosto, suas galerias de quadros com preços à vista, suas distrações sensuais que embotam a mente. Vide como ele sobem, esses macacos ágeis! Sobem uns por cima dos outros e assim se arrastam na lama e nos abismos.” (DURANT, 1963. p.91)

Por fim, Nietzsche faz uma crítica direta ao sistema capitalista, citando o termo Laissez-faire, conceito do liberalismo clássico de Adam Smith e do capitalismo (que prega o Estado mínimo e a livre concorrência como forma reguladora de preços):

“Observem a loucura atual das nações que desejam produzir o mais possível e ser tão ricas quanto possível. No fim o homem torna-se um animal de rapina: atacam-se de emboscada; obtêm coisas uns dos outros colocando-se de espreita. Chamam isso de boa vizinhança. Atualmente a moralidade comercial não é senão um refinamento da moralidade pirata — comprar no mercado mais barato e vender no mais caro. E todos esses homens clamam pelo Laissez-faire, mas são exatamente esses homens que mais deveriam ser supervisionados e controlados. Talvez até mesmo um certo socialismo, por perigoso que seja, fosse justificado aqui.(DURANT, 1963. p.91)

Autor: Alfredo Carneiro  // Editor do netmundi.org

Referência Bibliográfica

DURANT, Will. A Filosofia de Nietzsche. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1963


Navegue pelo netmundi.org