FILOSOFIA

Imperativo Categórico: nossos valores morais podem ser universais?

Immanuel Kant - imperativo categórico

Imperativo categórico é um termo criado pelo filósofo prussiano Immanuel Kant (1724-1804) para estabelecer sua filosofia ética. Kant nos pergunta: quais valores morais podem tornar-se leis universais?

É possível, por exemplo, transformar a corrupção em lei universal? Se uns roubam é porque outros produzem. Então, se todos roubassem, logo não existiria mais nada a ser roubado; o roubo não seria mais possível. Então, a corrupção é moralmente ruim.

Outro exemplo: o assassinato pode tornar-se universal e ainda assim continuar existindo? De acordo com o Imperativo Categórico, o assassinato é moralmente ruim, pois se todos resolvessem matar, logo não existira mais assassinato.

A boa vontade é um valor moral universal


Por outro lado, aquilo que é universalizado e ainda  assim continuar existindo é moralmente bom.

Imaginemos, por exemplo, a gentileza. Ela poderia ser universalizada e continuar existindo? Aparentemente sim, pois nada impede a gentileza de ser praticada se todas as pessoas forem gentis. Logo, a gentileza é moralmente boa, assim como a boa vontade e a bondade.

Após sua obra A Crítica da Razão Pura, em que Kant investiga como conhecemos a realidade, Kant publica Fundamentação da Metafísica dos Costumes, obra na qual conceitua o Imperativo Categórico e  irá nos dizer como agir de acordo com a lei moral.

A lei moral inscrita em nós


Esta lei moral está inscrita em nós, ou seja, nós já sabemos o que é certo mesmo que ninguém nos ensine. Temos uma sensação a priori que nos informa se tal ação é eticamente certa ou errada.

Mesmo aquele que mata sabe que está fazendo algo errado. Por mais que o assassino não ouça a lei moral, a sensação de que está agindo errado estará lá, pois está em todos.

Esta é  a origem do termo Imperativo Categórico. O mais alto valor do caráter está em agir de acordo com esta lei imperativa e categórica inscrita em nós.

É imperativa, pois é ordem. É categórica, pois não aceita outra opção. Podemos, obviamente, contrariar a lei moral. Entretanto, a sensação de certo e errado persistirá a mesma; não irá se adequar ao nosso comportamento.

Queremos ser felizes ou dignos da felicidade?


A lei moral não é apenas algo inscrito em nós: faz parte da razão que permeia toda a natureza. Aquele que age de acordo com o Imperativo Categórico não busca obter vantagem em suas ações, pois faz o certo simplesmente porque é certo, por nada mais.

Nem mesmo a felicidade deve ser buscada em nossas atitudes, pois algumas ações moralmente corretas trazem sofrimento. Importante é agir de acordo com a lei moral.

Segundo este filósofo prussiano, a lei moral pode não nos tornar felizes, mas certamente nos torna dignos da felicidade.

Immanuel Kant

Immanuel Kant

Autor: Alfredo Carneiro // Editor do netmundi.org

Navegue pelo netmundi.org