FILOSOFIA

Karl Marx e Adam Smith: oposições entre marxismo e liberalismo clássico

Karl Marx Adam Smith

Este é um ótimo vídeo que simula um encontro entre dois pensadores de enorme influência na filosofia contemporânea: Karl Marx(1818-1883) e Adam Smith(1723-1790). O mais interessante desta conversa é a oposição entre marxismo e liberalismo clássico, que são duas filosofias políticas totalmente opostas, o que torna este pequeno vídeo bastante pedagógico, principalmente para quem não conhece bem as diferenças entre estes dois filósofos. Apesar do tom cordial que os atores dão à conversa, acredito que ela não seria tão amistosa e divertida assim. Marx é um combatente ferrenho do capitalismo, que ele acredita ser um gigantesco sistema de exploração e dominação da burguesia em favor do proletariado, enquanto Adam Smith acredita que o livre mercado, a livre concorrência, a valorização das capacidades pessoais e a rígida aplicação das leis são a melhor forma organizar as sociedades e criar bem estar social.

As ideias de Karl Marx

Karl Marx realizou uma análise das sociedades capitalistas e levantou várias questões que vieram a influenciar muitos pensadores depois dele, além de motivar várias revoluções e movimentos sociais mundo afora. Entre suas ideias fundamentais está a percepção de que a história da humanidade tem sido a história da luta de classes.  Após a ascensão da burguesia como classe dominante, o capitalismo tomou uma forma sofisticada de dominação abrangendo a religião e o Estado, que basicamente agem em favor das classes dominantes.

O proletariado, por sua vez, seriam aqueles que, sem recursos ou riquezas, oferecem sua mão de obra para produzir os bens e serviços necessários à sociedade em troca do salário. Os meios de produção, no entanto, pertencem à classe dominante (ou burguesia) que busca sempre o acúmulo cada vez maior de capital. Para demonstrar como ocorre esse acúmulo de capital e a exploração do proletariado, Marx criou o conceito de Mais Valia, que seria a base da exploração capitalista. A Mais Valia, grosso modo, é a diferença entre o custo de produção e o preço de venda do produto. Para conseguir um lucro cada vez maior, é necessário que o proletariado trabalhe cada vez mais por um salário cada vez menor, aumentando assim o lucro.

Marx afirmou que “os filósofos interpretaram o mundo, mas chegou a hora de transformá-lo”. E esta transformação seria justamente a destituição da burguesia através de uma revolução do proletariado, que tomaria os meios de produção, fazendo surgir o socialismo e posteriormente, como fase final, o comunismo, quando então não existiriam mais classes sociais.

As ideias de Adam Smith

Adam Smith é um dos filósofos do liberalismo clássico, que é uma filosofia política e uma doutrina econômica que está em desacordo com as ideias de Karl Marx. Adam Smith acredita que apenas a valorização da liberdade individual e a livre concorrência podem permitir que as sociedades se tornem cada vez mais avançadas, permitindo também o surgimento do bem estar social. Ao contrário de Marx, Adam Smith vê no capitalismo o sistema ideal para organizar a economia. O Estado, por sua vez (e ao contrário do socialismo), deve ser mínimo e voltado principalmente para a rígida aplicação das leis, sendo todos os homens iguais perante a lei, independente de classe social. Se a lei não for aplicada a todos, não podemos ter esperanças nem no liberalismo e muito menos em qualquer sociedade que queira evoluir.

Adam Smith acredita que se estas condições estiverem devidamente postas, o mercado iria regular-se de forma espontânea, equilibrando os preços dos produtos e gerando os bens e serviços necessários a todos os cidadãos por um preço justo. Quanto menos o Estado intervir na economia, melhor para todos. O filósofo chamou esta organização natural de “mão invisível do mercado”.

Karl Marx versus Adam Smith

As ideias desses filósofos foram muito influentes durante o século XX. O marxismo deu o embasamento teórico às revoluções socialistas na Rússia, China, Coreia do Norte e Cuba  — além de influenciar movimentos sociais no mundo todo, inclusive Brasil — enquanto as ideias do liberalismo são marcantes nos EUA e vários países da Europa, principalmente Inglaterra. Este post não tem o objetivo de fazer uma análise dos gravíssimos problemas que surgiram (e surgem) nos países socialistas nem discorrer sobre os problemas do capitalismo (Zygmunt Bauman fez boas análises sobre isso), mas sim apresentar os conceitos fundamentais dos pensamentos destes dois filósofos, para que o leitor julgue por si só.

De qualquer forma, e emitindo uma opinião pessoal, acredito no ideal da democracia. E a história deixou claro (ainda que muitos não queiram ver) que o socialismo não favorece a democracia, apesar desta palavra ser muito utilizada por líderes de esquerda  — e apesar de até mesmo filósofos marxistas como Slavoj Žižek afirmarem que o socialismo estatal é uma ideia falida. Não pretendo afirmar também que o capitalismo é a melhor opção (isso é muito simplista), mas que me posiciono em favor do liberalismo, pois acredito que ele favorece mais a democracia do que o socialismo. Temos ainda muitos problemas a resolver, e a democracia está longe de ser um sistema ideal. Mas acredito na ideia de Winston Churchill de que “a democracia é a pior forma de governo, exceto todas as outras”.

Autor: Alfredo Carneiro
Editor do netmundi.org

Leia Também: