FILOSOFIA

Sua crença é verdadeira e justificada?

crença

Eu acabo de lavar a louça e vou para a sala ver televisão. Na sala alguém pergunta se a louça está lavada e respondo que sim. Minha crença (de que a louça está lavada) é verdadeira e justificada, pois eu mesmo lavei a louça (minha justificativa) e se alguém for na cozinha verá a louça lavada (é verdadeira).  Esta é a concepção clássica da teoria do conhecimento, um ramo da filosofia também chamado de epistemologia: conhecimento é crença verdadeira justificada.

Parece simples, no entanto, temos a tendência a aceitar de forma descuidada informações de todo tipo como verdadeiras. Um advogado, por exemplo, não pode acreditar em tudo que lhe falam. Ele acredita que seu cliente é inocente, mas acreditar não é saber.  Ele deve recorrer a essa concepção clássica para defender a inocência de seu cliente.  Ele precisa se justificar perante o júri, então,  ele pode dizer: “meu cliente é inocente pois na hora do crime ele estava fazendo compras em uma loja e eu tenho as filmagens da loja para provar”. Temos então um saber de fato, uma crença que é verdadeira(o cliente é inocente) e justificada(tenho filmagem dele na loja).

A epistemologia é um dos ramos mais atuantes da filosofia. Essa sequência de apresentação de crenças e justificativas é uma das bases da construção do conhecimento humano. É também o procedimento utilizado pela filosofia há séculos. Nossas crenças só podem ser consideradas conhecimento se forem verdadeiras e justificadas. No entanto, como não poderia deixar de ser, já existem ataques de alguns filósofos a essa concepção.

Autor: Alfredo  Carneiro

Editor do netmundi.org